Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Branco às Riscas

Um blog normal sem nada de especial de uma sonhadora inconformada.

Ter | 28.04.15

Civismo vs volante

Paula Ribeiro Santos

Eu sou uma gaja bué stressada mas incrivelmente ao volante transformo-me! Adoro conduzir, adoro a sensação de liberdade, adoro sentir o volante nas mãos, por isso conduzir para mim é um prazer. Tento ser o mais civilizada possível, páro nas passadeiras, cedo passagens que não tenho obrigação de ceder, dou todos os piscas, não dou sinais de luzes ou apito quando fico chateada com alguma asneirola, não excedo velocidade nem vou a morrer a 20km/h, estaciono sempre com a máxima atenção... etc etc etc... por isso se há coisa que me irrita e me faz soltar uns palavrões em silêncio é a falta de civismo dos outros. Hoje tenho dois exemplos muito concretos!

  1. Estou a sair do trabalho vou para o carro e percebo que nunca em sonho algum poderia tirar o meu carro do lugar. Porquê?!? Porque as duas almas iluminadas que estacionaram entretanto me apertaram de tal modo que nem a manobra conseguia fazer. E de quem eram os carros??? Sei lá... numa zona de tanto transito e escritórios foi impossível reconhecer um dos carros e ir pedir para dar um jeitinho! Como é que resolvi!? Parou-me o relógio pois claro está e tirei de lá o carro a força, toca a meter marcha atrás e uns dois toques no carro de trás até conseguir sair.
  2. Estou a cerca de 2 km de casa, apanho um gajo a 20km/h, a falar ao telemóvel e sempre que se apanhava um reta, largava o volante e com a com outra mão gesticulava tanto que parecia ir a discutir com alguém! Piscas não deu nenhum e pior... como não podia ultrapassar levei com ele até a porta de casa! Surreal!!!

1429651843734.jpg

 

Dom | 26.04.15

Em bom Português: Sinto-me na merda.

Paula Ribeiro Santos

Infelizmente é assim, nem com o fim-de-semana as coisas melhoram... aliás, pelo contrario, neste caso pioraram.

Às vezes sinto-me perdida e totalmente desapoiada, um pouco como um tolo no meio da ponte que não sabe de onde vem muito menos para onde vai.

Há uns anos atrás a minha casa era o meu porto de abrigo, morava sozinha e sabia que ao entrar por aquela porta e não ia ter receio de mais nada. Basicamente tinha a liberdade de chegar a casa e fechar-me no meu casulo. Hoje em dia não é assim, isto de morar com o namorado tem muito que se lhe diga, a casa passou a ser dos dois... e o que fazer quando discutimos e estamos fartos da outra pessoa? Quando nem se quer a podemos ouvir respirar muito menos ver a frente? 

Quero chorar desesperadamente e não consigo, quero descabelar-me, bater-me, perder a razão. Por tudo cá para fora e não posso, sinto-me a sufocar. Às vezes sinto-me a morrer por dentro, outras vezes sou a mulher mais feliz do mundo. 

Ele acha que sou louca... não compreende o porque da minha tristeza e amargura tão profunda.

Olha para mim como louca!

Desvaloriza a minha tristeza e os motivos que me maltratam a alma,  entristece-me com as suas apreciações narcisistas e de alguém que é melhor do que eu. A minha atitude aos olhos dele nunca é boa... as namoradas dos outros são sempre mais porreiras, divertidas, simpáticas, acessíveis, elas é que são fixes porque alinham em tudo... e compara-me...

Eu queria apenas que naqueles dias em que chego a casa destruída tivesse alguém compreensivo ao meu lado para me ouvir... poderia até nem concordar com os meus devaneios e dramas, mas que estivesse em silencio a ouvir-me sem me criticar ou chamar a atenção quando mais preciso. Mais tarde... depois de eu estar calma... passados um ou dois dias, talvez voltar ao assunto e se necessário chamar-me a razão. Não é quando estou na merda que quero ouvir criticas, criticas que ainda por cima demonstram o quanto frio ele é em quase tudo que se relacione comigo.

Às vezes sinto-me tão sozinha... tão triste, tão vazia... 

Tudo é motivo para me mostrar o quanto eu sou fraca e não sou como ele.Tudo é motivo para me mostrar que eu deveria ser mais forte, reagir de determinada maneira, que deveria ser mais como ele...

Sinto-me ainda mais perdida quando penso nas criticas que vou ouvir sempre que me desarmo, vou a baixo e lhe digo que estou mal.

Eu não quero que me passem a mão pelo pelo, eu não quero que andem comigo ao colo, eu não quero que tenham pena de mim... eu quero apenas que ele seja um pouco mais como eu, ou que pelo menos tente calcar os meus sapatos e ver a vida tal como eu a vejo.

Às vezes tenho vontade de não voltar a casa, não dar noticias, desligar o telemóvel, desligar a minha mente e simplesmente desaparecer.

 

 

Qui | 23.04.15

Que dia...

Paula Ribeiro Santos

Hoje foi o dia em que desabei e depois veio a vergonha.

Acho que nunca falei tão pouco durante um dia de trabalho e nunca trabalhei tanto como hoje. Ocupar a cabeça foi o meu refugio e a melhor forma que encontrei para me abstrair.

Hoje entrei as 10.30min e 15 minutos depois estava cá fora lavada em lágrimas, a sentir um misto de tristeza, desespero e vergonha.

Provavelmente poucas pessoas perceberam o porquê da minha minha reaação e com certeza muitas questões surgiram mas ninguém me abordou (e ainda bem).

O assunto que me fez perder o equilíbrio foi aquele que mais me maltrata o coração. Querer engravidar e não conseguir. Hoje foi dia de medicina no trabalho e o médico disse a uma colega que ela com 35 anos e sem filhos, está a passar do prazo para pensar nessas coisas...

Se calhar para quem não quer ter filhos, para quem já tem filhos, para quem não faz planos ou para quem ainda nem tem idade para pensar em filhos, possa não doer, possa não fazer moça... Mas para quem como eu, está a tentar e não consegue ou numa situação de abortos consecutivos, é muito difícil de ouvir/ aceitar uma apreciação destas...

A conversa não foi comigo contudo, eu desabei.

Nunca me tinha acontecido algo do género, nunca passei por tal situação. As pessoas calaram-se e eu saí a correr.

Depois... voltar foi muito dificil, mas teve que ser.

Ter | 21.04.15

Remodelações WC

Paula Ribeiro Santos

Quem me conhece sabe bem que eu adoro decoração, este fim-de-semana fui ao IKEA e perdi a cabeça, fiz umas comprinhas básicas para remodelar a minha WC.

Tadinha... estava mesmo a precisar!

Aqui ficam alguns dos objectos de decoração que comprei.

2.jpg3.jpg

 

9.jpgesp.jpg5.jpg4.jpg

 

6.jpg7.jpg

 

8.jpg10.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seg | 20.04.15

Tavira - "Tavira Guest"

Paula Ribeiro Santos

Fomos recebidos por 2 senhoras muito acessíveis que nos apresentaram o Hostel.

Cozinha partilhada bem equipada, preparada para fazer refeições (fogão com forno, maquina de lavar roupa, maquina lavar louca, microondas, etc).

Quarto muito quente e sem ar condicionado, WC completo privado, infelizmente ficamos num quarto em que a porta de entrada era totalmente desconfortável pois fechava mal, o isolamento era 0 e para complicar a porta tinha um vidro fosco de cerca de 1,30min tapado com um cortinado (o que permitia ver sombras através do vidro).

O Hostel conta com um espaço exterior pequeno mas otimo para tomar o pequeno almoço ou fumar.

Situa-se no 2 piso de um prédio antigo sem elevador e sem grande sinalização da existência do Hostel no local (tornou-se um pouco complicado encontrar o local).

Situado em pleno centro de Tavira, podemos ir a pé para a zona de restauração sem qualquer esforço. O pequeno almoço é razoavel, aliás a cima da média tendo em conta ser um Hostel.

No geral é um local simpático e bem decorado contudo peca nos pequenos pormenores.

tav.jpg

tav2.jpg

tav3.jpg

tav4.jpg

 

 

Seg | 20.04.15

O desabafo...

Paula Ribeiro Santos

Hoje só queria estar sozinha.

Sair daqui ir sem destino, parar numa praia qualquer e ver o mar.

Preciso de oxigénio, preciso de sol, preciso do silencio que tanto amo.

Hoje sinto-me a sufocar com os meus próprios pensamentos.

Sab | 18.04.15

Não, não e não...

Paula Ribeiro Santos

Eu não entendo e juro que já tentei fazer um esforço para tentar perceber mas não chego lá. Ou eu sou muito burra ou então andam mesmo a gozar com a minha cara!

Isto parece uma praga!

Todos mas todos só santos dias sou contactada várias vezes ao dia e a qualquer hora por variadíssimos nrs sobre publicidade. Não me recordo onde poderei ter dado o meu contacto, o facto é que de a cerca de 3 semanas para cá não param de chover nrs desconhecidos no meu telemóvel!

Já cheguei ao ponto de atender e de cordialmente pedir para n ao ser mais contactada mas 5 minutos depois estava novamente a receber uma chamada proveniente da mesma instituição!

No meu caso vi-me forçada a instalar um aplicativo no telemóvel para bloqueio de nrs indesejados, contudo a chamada entra no telemóvel e fica com registo de chamada não atendida e bloqueada.

Conclusão: Só na quinta feira fui contactada 5 vezes por nrs já bloqueados num espaço de 1 hora!

Será que eu mereço?

Para quem também esta a ser contactado e não sabe de que se trata, aqui ficam alguns dos nrs que me tem telefonado (Deco, Barclays, NOS e Endesa)

210352565

210352561

939287498

221200219

210352581

210352583

210341042

210316233

211450499

 

 

Sab | 18.04.15

Está decidido!

Paula Ribeiro Santos

joseph-pilates4.jpg

Esta semana foi uma semana de muita ponderação sobre a minha condição física. Comprei equipamento e coloquei os pés ao caminho, terça-feira fiz uma corrida de 3km e confesso que ainda nem tinha percorrido 500m e já estava a ponderar desistir.

Fiquei triste, fiquei muito triste. Isto fez-me pensar em mim, naquilo que fui e naquilo que me tornei por ser uma pessoa acomodada!

Não, não pode ser!

O meu problema não é o peso. O meu problema é a mente!

Eu tenho 1,63m e 56kg, estou óptima para a altura que tenho, o drama é que sempre pratiquei desporto e do nada deixei tudo, deixei a natação, a dança, o ginásio e praticamente deixei as caminhadas à beira mar.

Enquanto corria dei por mim, naqueles momentos de desespero e de exaustão a pensar: "o que é que aconteceu comigo? Como é possível estar para morrer e ainda nem 500m percorri?".

Assim, sendo, tomei uma decisão... vou começar a dar umas corridas à noite e voltar a praticar pilates.

As minhas dores de costas tem sido uma constante, ainda não percebi se é algo físico ou mesmo mental, só sei que me martirizo interiormente por me ter deixado ir a baixo.

Bora lá mudar...

Em Abril não falharei, vou tratar de imediato da inscrição no ginásio, assim já não tenho forma de desistir.

 

 

 

 

Sab | 18.04.15

Email's extraordinários

Paula Ribeiro Santos

Isto de trabalhar numa área administrativa tem os seus momentos cómicos!

Diariamente chegam-me às mãos inúmeros emails de clientes que são simplesmente uma pérola, se me contassem provavelmente não acreditava, mas a verdade é que eles andem ai!!!

Deixo aqui alguns deles e à medida que eles forem aparecendo vou acrescentando à lista.

 

borboletasnabarriga@

coxagrossa@

tutucamioneiro@

matchoman@

andacaquenaotealeijo@

gatinhaassanhada@

meninogoxtoso@

catiasinhafofy@

 

 

Sab | 18.04.15

TAG: That's true?

Paula Ribeiro Santos

Olá Joana Veríssimo, desde já o meu muito obrigada por me nomeares para responder ao TAG "That's true?", porém, peço-te desculpa não responder ao desafio mas de facto tenho andado muitoooo ocupada e cheia de trabalho, só hoje parei e irei tentar por escrita em dia.

Li com toda a atenção a tua resposta ao desafio e adorei! Apesar de não responder ao desafio, posso tentar aventurar-me a descobrir os 5 factos falsos?

Então aqui vai:

3. Não gosto de dormir.

10. Nunca foi operada.

11. Adoro alface.

15. Não gosto que me corrijam.

20. Irrito-me facilmente.

 

Pág. 1/3