Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Branco às Riscas

Um blog normal sem nada de especial de uma sonhadora inconformada.

Qui | 11.02.16

Devedores VS Recuperação Externa (Os Mitos)

Paula Ribeiro Santos

Provavelmente este será o Post mais longo de sempre neste blog... mas aqui vai!

Espero que seja esclarecedor e estou disponível para tirar duvidas a quem as tiver.

Tanto se podia dizer sobre este assunto.

Como tudo nesta vida existem sempre dois lados da verdade, porém nesta situação o único lado que se conhece é o lado do queixoso, do devedor que faz de tudo para protela a situação em vez de a resolver.

Tretas, só tretas!

Estou a falar de gente que se endivida à ganância e não faz contas à vida!

Compram telemóveis, playstations, pagam férias, mamas de silicone, compram carros e depois não pagam ou pagam uma ou duas rendas e desaparecem do mapa. É incrível a quantidade de pessoas que faz créditos e logo no mês seguinte fica desempregada. ;)

Depois ainda há quem diga: “Ah mas o banco é que tem culpa, deu o crédito e não devia, eles não verificam nada!”

MENTIRA!!! Era bom era!

Só fala assim quem não sabe o que diz.

Quando fazes um crédito fazem uma verificação da informação que estás a passar e dependendo do valor financiado, o chamado “Risco” é maior ou menor, dai se facilitar mais ou menos. A maioria também não sabe, mas enquanto estamos impávidos e serenos sentadinhos à espera da aprovação do credito, o funcionário que vos está a atender está a verificar o teu mapa de responsabilidades no Banco de Portugal e caro amigo, se estiveres fichado ou sobreendividado o crédito é de imediato recusado.

“Ah e tal fiquei desempregado, ou fiquei de baixa, ou estou pelo seguro, a minha prima faleceu, engravidei, ah tive uma diarreia…”

Azar… temos pena!

Devias ter pensado que contratempos e infortúnios acontecem a todos. Devias ter pensado que se não tens capacidade para continuar a pagar as tuas responsabilidades no caso de uma emergência, então não devias ter feito o crédito.

Amigo! A cabeça supostamente serve para alguma coisa!

Saiu à dias uma publicação no Noticias ao Minuto que é verdadeiramente vergonhosa e desprestigiante para os trabalhadores da recuperação de crédito amigável ou contenciosa.

Vamos lá ver o seguinte:

1º Se deves, tens obrigatoriamente que pagar.

2º Se não te recordas das tuas responsabilidades, alguém tem que te recordar.

3º Trabalho nesta área há vários anos e posso garantir que não somos umas bestas que ligam às pessoas a fazer ameaças a tudo o que se mexe.

4º Basicamente aquela noticia falsa!

E porque?

1º Os advogados agora tem menos trabalho alem de que são mais do que as mães e por isso precisam de angariar clientes. Mal dizendo o nosso sector acham que vão ganhar alguma com isso e por isso toca a destrocar.

2º E mais importante do que tudo. Sim como em todo o lado existem maus profissionais com más práticas e má conduta, porém essas pessoas não são um todo e não representam todo um sector de trabalhadores. Existem normas, regras, legislação e entidades reguladoras como o Banco de Portugal e a APERC que controlam a nossa actividade.

Esta não é a primeira empresa onde faço serviço se cobranças e de facto NUNCA vi ou fui instigada a maltratar o cliente, bem pelo contrário, tive sempre supervisores muito profissionais que nos remetem sempre para um serviço de qualidade, isto para já não falar das constantes auditorias às quais somos sujeitos.

Não vou dizer que não existem diálogos acesos, iria mentir. Claro que eles existem, mas vos garanto, geralmente quem acende o rastilho é o devedor! Compreendo que ninguém goste de ser chamado à atenção ou que alguém lhe telefone a lembrar quem tem dividas e que é preciso tratar, porém é uma realidade e alguém tem que fazer este trabalho aos bancos, financeiras e empresas.

Outra questão…

Quem ouve a reclamação do devedor claramente não conhece a versão do cobrador!

Aliás, quantos de vós conhece alguém que trabalhe nesta área? Tirando as pessoas com quem eu trabalho, não conheço mais ninguém!

Então algum de vós já ouviu o testemunho de alguém que todos os dias é insultado, mal tratado e muitas vezes ameaçado?

Todos os dias, além das desculpas absurdas e mentiras escabrosas, farto-me de ser assediada e agredida psicologicamente.

Se tenho opção de mudar de área? Sim, tenho mas infelizmente o trabalho no nosso país não abunda e alguém tem que fazer este trabalho!

Acredites ou não, os devedores conseguem ser muito mas mesmo mais agressivos do que nós!

Só para terem noção, querem ler um excerto de um dos 25email’s que recebi do mesmo cliente durante a sexta-feira passada?

 

Sem Título1.png

 

 

Este é um cliente que tem em divida TODO o Plafond do Cartão de Crédito. Já fez várias promessas de pagamento que não cumpriu, naquele dia contactei-o para informar que lamentavelmente o processo iria ser encerrado para acções legais e ele insistiu mais uma vez que “queria” pagar, como lhe disse que infelizmente depois de mais de 5 promessas incumpridas, não poderia continuar a ajudar. Pedi para me confirmar os dados pessoais e o resultado foi este, depois de desligar, este Sr. passou a tarde a enviar-me email’s, como disse totalizando 25, num espaço de cerca de 5horas. Este Sr. Ameaçou-me, insultou, rogou-me pragas e injuriou-me a mim e aos meus.

Hum… para quem acha que os devedores são uns coitadinhos… cuidado!!! São lobos em pele de cordeiro!

 

Confesso não gosto desta área e não é porque somos mauzinhos é mesmo porque basicamente estou farta de lidar com caloteiros e gente mentirosa. Gente que não tem onde cair morta mas falsificam documentos e mobilam casas, compram telemóveis e carros que nunca pagam.

Gente que é capaz de jurar a pés juntos pela saúde dos filhos que vai pagar no dia x e nunca mais nos atende o telemóvel.

Gente que diz que o filho único morreu no dia anterior e passo uma semana eu ligo para acordo e esse filho único atende-me o telemóvel.

Gente que diz que o pai foi internado e passado uma semana descubro que o Sr. está de boa saúde e rijo que nem um pêro!

Pessoas que dizem que se divorciaram entretanto e têm três filhos menores a cargo e afinal nunca foram casadas e não tem um único filho.

Pessoas que me dizem, “levem-me a bebé para vos pagar a divida”... ou “não vou render para vos pagar”.

Pessoas que me insultam de p*ta, v*ca, mandam para o car**ho, porque lhes recordo que não cumpriram o acordo extrajudicial e por isso o processo vai avançar a acção judicial.

Uma vergonha basicamente!

 

Nota: A maioria das pessoas que passa realmente dificuldades de forma involuntária geralmente são as primeiras a dar a cara e a pedir ajuda para resolver (e resolvem).

As pessoas que no geral, mais uma vez repito, no geral, chegam a esta situação contenciosa, são os maus pagadores os caloteiros que não tem respeito por ninguém, muito menos pelo nosso sector.

Qui | 11.02.16

Aos donos de Bulldogs...♥

Paula Ribeiro Santos

12507569_420670284809823_7564860844713776161_n.jpg

 

Todos nós (donos de bulldogs) sabemos o quanto este bichinho é carente e afectuoso e é claro que é maravilhoso chegar a casa e ver o nosso monstrinho aos saltos, louco por uma brincadeira, parece que não nos vê há anos e apenas saímos para trabalhar. O que devemos saber e reter é que este comportamento é prejudicial para o equilíbrio mental do nosso baby. O excesso de excitação pode fazer com que o nosso frenchie desenvolva problemas de comportamento, dificuldades em gerir a ansiedade ou provocar maleitas corporais no caso das corridas desenfreadas.

Algumas das consequências a curto e longo prazo do excesso de excitação são:

Corridas loucas como se não houvesse amanhã onde podem escorregar e cair fracturando ossos,

Forçar a trela durante o passeio até ficar ofegante, magoar as patas e partir unhas,

Arranhar quem se aproxima,

Saltar às visitas ou a pessoas estranhas na rua.

A solução nestes casos é sempre ignorar o nosso baby quando chegamos a casa e não fomentar a excitação, por mais que nos custe temos que manter a postura até ele se mostrar calmo, se fizeres o contrário, ele vai entender que aprovamos aquele comportamento e vai repetir, repetir e repetir. É facto que ele poderá parecer triste inicialmente, porém, na realidade estás a promover exactamente o contrário, estás a zelar pelo seu equilíbrio e ele será a longo prazo muito mais feliz e autónomo.