Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Branco às Riscas

Um blog normal sem nada de especial de uma sonhadora inconformada.

Sex | 29.09.17

Follow Friday - Chic'Ana

Paula Ribeiro Santos

Sem título.jpg

Ui... há quanto tempo já não participava no Follow Friday, primeiro porque estive muito tempo afastada do Blog, segundo porque mesmo quando ainda andava por cá andava muito atarefada a tentar concertar-me noutras coisas que não no Blog porque já estava gravida, queria muito por a boca no trombone mas não podia (queria).

Ora bem, mas passando aquilo que interessa... 

A minha sugestão Follow Friday é a minha queria Chic'Ana que está gravidíssima e quase quase a rebentar a bolha... ora e a minha sugestão vai para ela porquê?

1º porque tem sido uma seguidora super fiel que me tem acompanhado para todos os cantos para onde "viajo" e que nunca se chateia ou deixa de "me ler".

2º Porque o Blog dela é extremamente interessante, um Blog despretensioso de assuntos banais com os quais me identifico. De fácil leitura é um Blog que tenho todo o gosto em seguir.

 

 

Sex | 29.09.17

Mais um post para ti Afonso...

Paula Ribeiro Santos

IMG_9756.JPG

 

É incrível como quando olhei para ti pela primeira vez, senti um amor maior do que a minha própria vida.
É incrível como quando olhei para ti pela primeira vez, senti que já te conhecia desde sempre.
Os primeiros minutos, horas, dias, pareciam um déjà vu, senti que já te conhecia de outra vida.

Senti que conhecia cada contorno do teu rosto, das tuas mãos, dos teus pez, juro... até o teu choro me era familiar.
Vi-me desesperar naquela primeira noite em que choravas descontroladamente e eu sem saber o que fazer para te consolar... Foram duas horas que pareceram anos, chorei de frustração e de medo... Mas venci, vencemos juntos!
Hoje conheço-te melhor do que ninguém, hoje cuido de ti, melhor do que ninguém, hoje és mais parte de mim do que ontem e serás um pouco menos do que amanhã.
Aquilo que já era bom, tornou-se perfeito com a tua chegada. E hoje... dia após dia, amo-te mais um pouco.

Sempre achei que seria cliché... mas de facto, ter um filho é viver com o coração fora do peito.

Hoje sinto que todos os dias são uma bênção.

Uma bênção por te ter nos braços, por te poder criar, por te poder educar e sobretudo abençoada por partilhares comigo todos os pequenos desenvolvimentos da tua pequena existência.
Todos os dias é uma novidade, todos os dias ofereces-me de forma genuína sorrisos que guardarei para sempre no meu coração.
Obrigada por existires na minha vida e me fazeres a mulher mais feliz do mundo.

 

 

 

Sex | 22.09.17

Já fez um ano!

Paula Ribeiro Santos

IMG_8999.jpg

 

Faz hoje precisamente um ano e um mês que nos mudamos temporariamente a trabalho para Lisboa.

Inicialmente uma decisão difícil mas emocionante, procura de casa contra o tempo. Muitos planos, muita ansiedade, muita esperança de que fosse uma experiência maravilhosa.

E sim... sem sombra de dúvida, das melhores experiências até hoje.

Inicialmente muito doloroso, lembro-me como se fosse hoje que no primeiro fim-de-semana no Porto, ao regressar chorei bastante. Chorei por saudades de Casa, por saudades da Família, dos Amigos e apesar de estar apenas a 300kms e 3 horas de carro, parecia que estava do outro lado do mundo.

Também foi muito difícil a adaptação ao trabalho em casa. O silencio, aquele que sempre amei, passou a ser um inimigo. Cheguei ao ponto de ligar a TV na sala e música no PC para poder sentir que estava acompanhada, entretanto, passei a trabalhar em frente a TV.

Harmonizar-me com os residentes de Lisboa também não foi fácil, talvez por estar a morar numa zona elitista, achei que as pessoas não eram tão afáveis quanto achava que seriam e ai sim... senti-me desmotivar.

O tempo foi passando, a saudade da família e amigos foi apaziguada, porém a vontade de regressar era mais do que muita, principalmente porque não me adaptei de forma alguma ao trabalho solitário.

Passava imenso tempo no blog, em pesquisas na Internet, a telefonar para casa e amigos próximos, fiz de tudo para matar aquele desconforto dentro de mim.

A casa era confortável, ao final da tarde, todos os dias tomava longos banhos de água muito quente, ouvia música e tentava organizar a minha cabeça. Cheguei a pensar em desistir e voltar ao Porto, mas não podia, tinha prometido a mim mesma e ao T. que o acompanharia até ao fim e assim foi.

Os dias foram correndo uns atrás dos outros e cheguei ao ponto em que me sentia feliz, confortável e de certo modo a tomar aquela cidade como minha também. Muitas experiências, passeios e visitas felizes aconteceram. Comecei a ambientar-me com a zona a conhecer os sítios e a ter oportunidade de me sentir bem e aconchegada.

A minha perspetiva geral sobre os Lisboetas mudou o que me deixou feliz... talvez até ali não estivesse a frequentar os sítios corretos, talvez apenas estivesse a conviver com aqueles que fazem de Lisboa a sua casa mas na realidade sã de outras zonas. Quando comecei a frequentar Bairros como o de Alfama, senti-me feliz, de coração cheio e completamente rendida à sua beleza tão peculiar.

Corrijo o que disse inicialmente...

Lisboa foi para mim, a minha melhor experiência de vida.

Na realidade, em todos os sentidos fui feliz. Aprendi muito, sobretudo a controlar a minha ansiedade e o medo da solidão. Mas mais e melhor do que tudo... foi em Lisboa que fizemos o nosso bebé.

Hoje, olho para trás e sinto uma saudade imensa. Hoje olho para trás e sinto uma nostalgia avassaladora invadir-me o peito e penso: "Voltaria a fazer tudo de novo".

Hoje, amo mais Lisboa do que há um ano atrás. ♥

 

 

Qui | 21.09.17

Faltam 94 dias 5 horas e 05 minutos para o Natal

Paula Ribeiro Santos

Faltam precisamente 94 dias, 5 horas e 05 minutos para o Natal e já tenho parte dos presentes comprados.

Não, isto não é ansiedade, é comprar de forma inteligente. 

Compramos presentes que garantidamente são do agrado de todos e por isso não corremos riscos. Neste sentido, aproveitamos descontos e promoções "et voilá"... já estamos a poupar.

Para já não posso desvendar o que compramos porém, depois do Natal, publico um post com fotos de cada presente.

Qui | 21.09.17

Ainda em fase de adaptação

Paula Ribeiro Santos

20986862_1955127368036868_246146684562702336_n.jpg

 

Ter um bebé recém nascido em casa é uma alegria desmedida, porém ter um bebé em casa não é fácil, principalmente quando se trata de um casal papás de primeira viagem.
Confesso que apesar de o Afonso ter passado uma fase de inicio de noites mal dormidas, continua a ser bebé muito sussegadinho.
Basicamente come e dorme... Por isso, se pelo meio lá vêm algumas cólicas, estamos cheios de sorte. 
Apesar disto, as noites com pelo menos duas interrupções para a maminha matam-me... confesso que há dias que me sinto uma zombie e desde que fui para a maternidade, perdi um pouco a noção dos dias da semana, das horas mas principalmente da ordem cronológica das coisas. Cansada e ainda em fase de adaptação ao novo membro da família dou por mim a descansar menos do que é preciso (mas tudo por uma boa causa).
 
 
 
Qua | 20.09.17

Afonso

Paula Ribeiro Santos

20688737_159225214628378_3072876124775120896_n.jpg 

 
Às vezes ainda olho para o meu bebé e não acredito!
Tanto tempo a desejar este presente da vida, tanta seriedade, tantos projetos e hoje tenho-o nos braços, só meu, só nosso.
Quero mais que tudo que me ame e veja em mim o seu porto de abrigo. 
Não vejo a hora de sentir os seus bracinhos à volta do meu pescoço e ouvir a vozinha dele a gritar de alegria "mamã" quando chego a casa do trabalho.
Por outro lado... agora que já passaram dois meses,  já está tão grande. Vejo o tempo passar, vejo-o crescer e só quero que o tempo pare.
Neste momento o que mais me preenche o coração é estar com ele no miminho. Ficar inebriada com o seu cheirinho e gestos de bebé. Ver as suas pequenas mãos mexer lentamente e ouvi-lo respirar.
Sinto-me arrebatada de amor e ternura.
Não quero sair daqui, quero ficar aqui para sempre.
 
 
Seg | 18.09.17

Um domingo diferente!

Paula Ribeiro Santos

familia.jpg

Ontem foi um domingo em família, daqueles que há muito já não tinha e soube tão bem!

Almoçamos em casa do meu primo que apesar da cumplicidade entre ambos, temos andado afastados.

Volta e meia estes encontros acontecem, deviam de facto acontecer com mais frequência mas as vidas são tão distintas que acabamos por deixar os primos e os tios para trás.

É engraçado que quando estamos juntos parece que foi ontem que estivemos pela ultima vez mas a realidade é que as vezes passam-se um ano ou dois.

Talvez por minha culpa (que sou muito desligada) os encontros são pontuais e o curioso é que são momentos que me fazem muito bem já que são a minha família mais próxima e que amo do fundo do coração. São a minha verdadeira família, aqueles que estiveram sempre lá e me viram crescer.

Quero de facto, não deixar que passe mais um ano sem a presença deste meu primo. 

A família é tudo.

Sem eles não somos nada e para famílias pequenas como a minha (eu, mãe e pai) os primos e tios ocupam um papel de uma relevância extrema. Os primos são os irmãos que nunca tivemos, os tios são os pais de substituição.

Que seja para breve o próximo encontro.

 

 

 

Sab | 16.09.17

Podia ter sido muito grave, mas ultrapassamos...

Paula Ribeiro Santos

Esta semana o meu coração parou...

Estava a levar da sala para cozinha o Afonso na espreguiçadeira quando uma das rodas encravou. De repente dou por mim com uma mão a segurar a espreguiçadeira e outra a apoiar a cabeça do Afonso. O raio do bicho inclinou para a frente e se não fosse ter apertado o cinto de segurança e o T. estar em casa, não sem como me safava.

Comecei aos gritos a chamar pelo T. que veio de imediato a correr auxiliar-me.

No final de contas desatei a chorar, tremia por todos os lados e o Afonso sorria!

Ora bem, podia ter sido pior e afinal de contas o puto apesar de ter mês e meio parece já gostar de atividades radicais. 

Mas conclusão... do nada se dão acidentes com bebés. Ele estava sobre a minha protecção, era eu que estava a transporta-lo e mesmo assim o incidente aconteceu e poderia ter sido muito grave. Todo o cuidado é pouco e onde menos se espera aparece o perigo. 

Aprendi uma nova lição, transportar o Afonso na espreguiçadeira de um local para o outro tem que ser ainda mais devagar e com menos inclinação. Basta o piso ter uma areia para as rodas encravarem e o pior acontece. 

 

Pág. 1/3