Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Branco às Riscas

Um blog normal sem nada de especial de uma sonhadora inconformada.

Seg | 02.10.17

Dia de vacinas do Princípe

Paula Ribeiro Santos

Sexta-feira foi dia de vacinas do pequenito. 

Ui que desespero no meu coração por o ver aos gritos de forma totalmente descontrolada.

O meu bebé que é a tranquilidade em pessoa, chorou como nunca o fez. 

Ainda bem que estas memorias se apagam da cabeça dos bebés, de facto levar uma injeção numa coxa não deve ser nada agradável.

Depois de tomar a vacina peguei nele de imediato, coloquei-o ao colinho e o calor do meu peito aconchegou-o. À tarde, a saga do choro continuou... Talvez por desconforto ou até mesmo por algumas dores, chorou completamente inconsolável. No final de contas, à noite e devido ao cansaço extremo, adormeceu eram 21h e acordou as 4.30min da manhã... Coitadinho, estava tão exausto que não o ouvi mexer-se ou mamar na mão uma única vez. 

Por minha vez, levantei-me várias vezes para confirmar se estava tudo bem com ele, nunca dormiu tanto e tão seguido.

 

 

Seg | 02.10.17

Daqui a nada termina a Licença de Maternidade

Paula Ribeiro Santos

Confesso que apesar de ainda faltarem cerca de três meses para regressar ao trabalho já sinto o coração aos saltos.
Estas 24 sobre 24horas com o meu bebé está a deixar-me totalmente dependente dele e deixa-lo em mãos de terceiros (mesmo sendo eles os meus pais) está a matar-me.

Mãe é mãe e conheço o meu bebé melhor do que ninguém. Conheço o tipo de choro, reconheço quando está com sono ou com dores. Conheço cada sorriso e sei o que o faz sentir-se mais divertido.

Em Portugal devia ser como no norte da Europa em que a licença de maternidade chega a atingir os 410 dias.

No meu caso, acabo por ser uma privilegiada, tirei 120 dias, pedi à minha entidade patronal a licença de amamentação de uma só vez, o que acrescentou mais 30 dias e para culminar, pedi também para gozar os 15 dias de ferias referentes ao ano de 2016 que tinha a crédito. Basicamente acabo por ficar em casa cerca de 5 meses e meio, sendo que apenas vou trabalhar dia 02 de Janeiro de 2018, mesmo assim, sinto que é muito pouco. Nessa altura o meu bebé tem apenas 6 meses o que me deixa completamente insegura.

Como vou é que vou aguentar?
Como é que ultrapassam as outras mamãs esta questão? E aquelas que aos 4 meses e por não ter apoio de familiares têm que deixar o bebé na creche?

Injusto, é muito injusto.

Fala-se de baixa taxa de natalidade, de um envelhecimento agressivo da população nacional, mas na realidade é que os incentivos para reverter esta tendência são nulos.