Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gato Branco às Riscas

Um blog normal sem nada de especial de uma sonhadora inconformada.

Qua | 30.01.19

Mães perfeitas, afinal quem são elas?

Paula Ribeiro Santos

Olho a volta é só vejo mães perfeitas...

Mães que sabem a data do 1 dente, a data da primeira palavra, a data dos primeiros passos. 

Mães carregadas de certezas, de verdade e de opiniões.

Mães calmas, que nunca perdem as estribeiras, mães que andam sempre com os filhos um primor, seja do cabelo penteadinho ao ténis perfeitamente limpo.

Mães que garantem com toda a convicção do mundo que as suas crias lavam dentes e cara todos os dias antes de deitar… 

Posto isto, eu sou a maior vergonha das mães!

Eu não anoto nada!

Eu não sei quando nasceu o primeiro dente do Afonso, não sei a data da sua primeira palavra e só sei a dos primeiros passos, porque foi esta semana!!!

A única certeza que tenho é que sou a melhor mãe do mundo para o meu filho, todo o resto são dúvidas e mais dúvidas. 

Conselhos de mãe recente, sim dou, mas não opino sobre a vida ou educação dos outros.

Admito que tenho dúvidas, incertezas, receios e inseguranças.

Às vezes descabelo-me, stresso quando ele chora sem razão, perco a cabeça quando ele está a tombar de sono mas insiste que estar acordado é que é fixe. Dou por mim vezes sem conta, a imaginar a atira-lo pela janela fora porque já não  o posso ouvir aos gritos. Às vezes grito, digo uns quantos palavrões e logo a seguir arrependo-me. O meu bebé anda grande parte dos dias descabelado, de fato de treino cheio de borboto nos joelhos, a chucha cai ao chão e de seguida vai para a boca, passa o dia a fazer de esfregona e a limpar o chão e quando está em casa divide bolachas com a Mia (sim, vai da boca de um para o outro e vice-versa). O meu filho rebola no chão, literalmente c@g@-se todo, não tem medo de animais e raramente adoece. Eu tento, juro que tento, mas por vezes lavar os dentes passa-me ao lado e lavar a cara, pior ainda!

Sim, verdade… Faço parte do rol das piores mães do mundo, porém tenho plena consciência que o meu filho é uma criança feliz e isso transparece. As regras são para ser quebradas, o tabu que se faz sobre as mães de carne e osso também,  admitir que não somos perfeitas e que por vezes não chegamos a todo o lado não é vergonha nenhuma!

Tenho orgulho e plena consciência de que o meu bebé tem uma mãe descontraída e sem merd@s, real e consciente de que deixa-lo explorar o mundo é a melhor forma de aprender e viver.

Por isto e por muito mais... Sou uma super mãe, sou a melhor mãe do mundo para o meu filho!